DOBRAS VISUAIS

Info

27 nov 2015
Pensando

Tags

,

Susan Sontag, para Coletivo Ágata

Livro: A Photographer’s Life: 1990-2005, de Annie Leibovitz.

Livro: A Photographer’s Life: 1990-2005, de Annie Leibovitz.

Santa Ágata

Passei alguns meses imersa lendo Susan Sontag. Sou afeita à forma crítica como ela lê a fotografia, apontando uma tensão para a presença desse objeto em nossa cultura. Ela escreveu o livro Sobre fotografia no período em que foi diagnosticada com câncer.

Dia desses, por uma grande coincidência, caiu na minha frente o livro A Photographer’s Life: 1990-2005, de Annie Leibovitz, companheira de Sontag por dez anos. A publicação apresenta uma vida com a fotografia – celebridades e grandes campanhas se misturam com o afeto familiar.

Ali, Sontag surge na vida de Leibovitz, atravessa momentos reservados, mostra-se intimidada diante da câmera, adoece e morre em imagens. Parei nesse conjunto de fotografias, passei um tempo a observa-lo.

Sontag não foi considerada santa, como Ágata, mas igualmente teve seu seio mutilado por uma doença que a fez pensar e escrever. Combateu, por meio da palavra, o lugar da comiseração: “meu ponto de vista é que a doença não é uma metáfora e que a maneira mais honesta de encará-la – e a mais saudável de ficar doente – é aquela que esteja mais depurada de pensamentos metafóricos, que seja mais resistente a tais pensamentos.

Por ora, é muito difícil fixar residência no país dos doentes e permanecer imune aos preconceitos decorrentes das sinistras metáforas com que é descrita a sua paisagem”.

Sigo intrigada com a tensão entre a imagem que me fere e a palavra que tenta me tirar desse lugar.

_____

Participação na exposição Sou uma mulher de tijolos a vista, organizada pelo Ágata, coletivo que parte da pesquisa do processo criativo para criar ferramentas de compreensão e atuação no contexto da arte contemporânea. Formado por Juliana Biscalquin, Camila Martins, Juliana Brito, Juliana Farinha, Luciana dal Ri e Lucila Mantovani.