DOBRAS VISUAIS

Fernanda Grigolin e as aproximações entre a fotografia e o livro

amlaudia Zimmer: Livro “Cartografia do Meio”, 2008.

Experiências de artistas: aproximações entre a fotografia e o livro é uma publicação, resultado de uma pesquisa realizada por mim ao longo do primeiro semestre de 2013 em três países – Brasil, México e Argentina –, sobre as relações da fotografia com o livro de artista e foi contemplado pelo XII Prêmio Funarte Marc Ferrez de Fotografia de 2012.

As ferramentas utilizadas foram levantamento bibliográfico e entrevistas realizadas ao longo do primeiro semestre de 2013 nos três países citados. Foram 22 entrevistas com artistas, pesquisadores e gestores culturais.

O recorte que atravessa as fronteiras brasileiras e dialoga com produção e circulação de outros dois países latino-americanos é proposital. Advém de uma vontade de pensamento em arte desde a América Latina. De um deslocamento do que se considera centro para um pensamento às margens. Obviamente, uma primeira cercania. Assim, o que é apresentado na pesquisa está longe de se pretender a realizar um panorama latino-americano ou um amplo estudo ou uma tese. O tempo de pesquisa foi curto e, mesmo que o tivesse, a pretensão de trazer uma perspectiva continental deve ser cuidadosa, pois há muitas questões sociais, políticas e culturais que devem ser levadas em consideração.

Assim, a publicação não tem caráter antológico, muito menos de valoração da produção desses países, e, sim, de aproximação com espaços de circulação e pesquisa de livros e publicações de artista e de livros de fotografia e com os artistas “fazedores” que participam destes processos.

Foram entrevistados:

Propositores e protagonistas de espaços, como Regina Melim, da Turnê (projeto itinerante de exposição, feira e debate sobre publicações de artistas coordenado juntamente com Fabio Morais e Maíra Dietrich); Carlos Carvalho, da Biblioteca de Fotografia do FestFotoPoA (Porto Alegre/RS); Julieta Escardó, da Feria de Libro de Foto de Autor (Argentina); Valentín Castelán, Alejandra Pérez Zamudio e Mariana Gruener, da Feria Internacional de Libros de Artista (México) e do Festival Fotoseptiembre; e Iatã Cannabrava, do Paraty em Foco (Festival Internacional de Fotografia) e do Fórum Latino-americano de Fotografia (Brasil);

Pesquisadores, como Amir Brito Cadôr (UFMG) e Paulo Silveira (UFRGS): dois importantes pesquisadores em livro de artista no Brasil.

Artistas referência na área, como Edith Derdyk (Brasil) e Juan Carlos Romero (Argentina);

E artistas cujas obras participaram de feiras e espaços de livros: Eduardo Carrera e Lorena Guillén Vaschetti (Argentina); Patricia Lagarde e Juan Antonio Sánchez Rull (México); e Claudia Zimmer, João Castilho e Gui Mohallem (Brasil).

A artista Rafaela Jemmene da plataforma sobrelivros; a organizadora da Feira de Publicações Independentes do Sesc Pompéia, Daniela Avelar; e o professor brasileiro de fotografia e livro de fotografia, Marcelo Greco, também foram entrevistados. Assim como o artista colombiano radicado na Argentina, Rodolfo Lozano González, que possui fortes relações com a feira argentina, onde tudo começou.

Em 2012, visitei a Feria de Libro de Foto de Autor (Buenos Aires, Argentina). Já era a segunda vez que enviava livros para o evento e queria conhecer como funcionava. A feira me causou muita alegria e me surpreendi tanto por ser um espaço de livros, um misto de biblioteca, feira, exposição, quanto pelo tête-à-tête entre artista e público. Artistas são convidados para serem bibliotecários e eles entregam os livros ao público e, por muitas vezes, presenciam o momento de “leitura” de seu livro realizado por outra pessoa. Eu vi os 212 livros selecionados em 2012, um a um, sentada em um espaço iluminado, com cadeiras e mesas apropriadas para ficar quanto tempo fosse necessário com cada um dos livros.

Foi desta experiência que surgiu este projeto. Por mais que os livros estejam comigo há algum tempo, foi da experiência em Buenos Aires que o projeto nasceu. Estive lá devido ao apoio do Programa de Intercâmbio e Difusão Cultural do Ministério da Cultura.

Saí de lá decidida a estudar mais a respeito das feiras latino-americanas. Achei devido incluir o México, pois o país é um vasto produtor de livros e possui uma feira que ocorre a cada dois anos. O Brasil, por razões óbvias, também deveria estar por ser o país onde nasci e por ter várias questões para se pensar acerca das artes visuais e dos livros, como: o franco crescimento de iniciativas e conexões com os demais países da região.

Os artistas, os livros

Experiências de artistas argentinos, brasileiros e mexicanos. Escolhi artistas que realizassem livros nos quais a fotografia estivesse presente e os autores aparecessem de forma autônoma no processo do livro. Logicamente, um livro é um processo coletivo e isso foi levado em conta a todo instante.

Os artistas são diversos. Há artistas que publicaram livros por uma grande editora e com circulação mundial, como é caso de Lorena Guillén Vaschetti, que teve seu livro historia, memoria y silencios publicado pela Schilt Publishing (Amsterdã, Holanda). Outros realizaram seus livros de forma independente, porém com alta tiragem, como é o caso de Gui Mohallem e seu livro Welcome home, ou por meio de editais, como é o caso de João Castilho e seu Pulsão Escópica. Dois artistas foram vencedores de editais lançados pelas próprias feiras, como é caso do argentino Eduardo Carrera, com Salud, e Juan Antonio Sánchez Rull, com Jorge Soldado. Há outros que realizaram seus livros em baixíssima tiragem ou sob demanda, como é o caso de Patricia Lagarde e Claudia Zimmer.

Ao falar dos livros, tento trazer fragmentos de obras e relações teóricas possíveis para relacioná-los, relacionar imagens e gerar mais questões. Há um objetivo aqui: trazer os campos de atuação em arte com artistas e falar do livro também como dispositivo de exposição. Por isso, o contexto do mercado editorial não foi abordado de uma forma ampla e sim os artistas, os livros e os facilitadores de processos. Obviamente, há muito o que se falar sobre distribuição e venda de livros em espaços convencionais, contudo, não foi o meu foco. Optei pelos espaços de circulação e pelos artistas.

Para ler:

Experiências de artistas: aproximações entre a fotografia e o livro

Pesquisa independente.

Prêmio Marc Ferrez de Fotografia, 2012.

O livro pode ser acessado no link ou solicitado para autora via email [[email protected]].

_____

Fernanda Grigolin é artista visual, cursou especialização em Direitos Humanos (USP) e é mestranda em artes visuais na UNICAMP. É editora da Publicações Iara e publicou, em outubro de 2010, o livro Retratos da Garoupa.