DOBRAS VISUAIS

Assim é (se lhe parece) | Luigi Pirandello

Short Cuts: direção Robert Altman, 1993.

Short Cuts: direção Robert Altman, 1993.

O que é fotografia?

“Para mim, sou aquela que sê crê que eu seja.”

Esta frase me acompanha desde que li Assim é (se lhe parece), peça de teatro escrita por Luigi Pirandello. Trata-se de uma história em que um grupo de moradores especula sobre a mudança de um novo casal para o seu prédio. Nos diálogos entre os vizinhos aparecem inúmeras versões sobre o que pode vir a ser o comportamento deles, que julgam estranho e antisocial. Deste modo o autor nos leva a pensar sobre os limites daquilo que avaliamos como verdade objetiva, questionamento que permeia a obra de Pirandello.

Não há nenhuma relação com a fotografia neste livro, mas mesmo assim guardei a frase no meu baú por considerá-la muito fotográfica. Por vezes me vejo numa encruzilhada com a fotografia e esta sentença me aparece.

E foi por este caminho que cheguei a Short Cuts (1993), filme do diretor americano Robert Altman, inspirado em contos de Raymond Carver. Revi recentemente esta narrativa feita a partir de oito pequenas histórias de casais que se cruzam em meio a situações corriqueiras, mas que soam como uma pequena explosão no cotidiano de cada um. Não há grandes desfechos e muitos dos casos permanecem na mesma até o final.

O trecho do filme que selecionei para pensar nesta frase do Pirandello é um dos momentos de cruzamento entre dois grupos de personagens. O primeiro deles é um casal cujo marido faz um curso de maquiagem para cinema e usa a esposa como cobaia para seus exercícios de situações de morte. Assim, após maquiá-la, ele faz uma série de fotografias encenando o assassinato da sua vítima. O segundo trata de um sujeito que viaja com os amigos para um acampamento e acaba descobrindo o cadáver de uma moça assassinada. Como fotógrafo do grupo, ele faz o registro do corpo com o mesmo ímpeto com que fotografa a pescaria.

Estes dois núcleos se encontram no momento em que vão ao minilab para buscar as fotos reveladas e, por um descuido no balcão, acabam trocando os envelopes. Desta maneira, cada um vê as fotos do outro, aparentemente com o mesmo conteúdo (uma mulher morta), passando a desconfiar do outro como assassino em potencial. E é assim que, no filme de Altman, a fotografia torna-se aquela que se cre que ela seja.

Luigi Pirandello em Assim é (se lhe parece) (São Paulo: Tordesilhas, 2011.)

Para conhecer mais: Robert Altman