DOBRAS VISUAIS

Como falam as fotografias | 2011

Essa série versa a partir do avesso, uma pequena coleção de fotografias de família que carrego desde que me embrenhei nesse território das imagens. Minha família é muito grande, e o registro de seus diversos núcleos aconteceu de forma tradicional, nos estúdios dos fotógrafos que rondavam a região. Passei tempos a olhar para os rostos, as poses centenárias, fisionomias de meus antepassados quase desconhecidos, não fosse o reconhecimento em mim de alguns de seus traços. Mas não estava neles a minha inquietação, precisei olhar para o verso, numa espécie de desdobramento do ato e da palavra.

Essas fotografias estiveram circulando como pedaços de lembranças desordenadas e são vistas agora como um conjunto cuja ligação é sentimental. Apago o resto e permaneço com as palavras, com todos os tempos desses retratos condensados na potência do que vivo por meio do significado delas. Como falam as fotografias é composto de um vocabulário, a evidência de afetos capazes de fazer circular essa pequena coleção por meio das trocas entre avós, filhos, pais, tios e netos. A dedicatória é o espaço em que percebemos que uma mesma imagem pode ser uma recordação, uma reparação, uma saudade ou uma prova. São retratos ao revés, objetos que aqui suam palavras.

[Série com 12 fotografias]

 

Lívia Aquino, Como falam as fotografias, 2011.

Lívia Aquino, Como falam as fotografias, 2011.

Lívia Aquino, Como falam as fotografias, 2011.

Lívia Aquino, Como falam as fotografias, 2011.

_____

Essa série integra a Coleção Diário Contemporâneo de Fotografia, em Belém (PA).