DOBRAS VISUAIS

A metáfora do ‘Ver’

Evgen Bavcar

“Por que foi que cegámos, Não sei, talvez um dia se chegue a conhecer a razão, Queres que te diga o que penso, Diz, Penso que não cegámos, penso que estamos cegos, Cegos que vêem, Cegos que, vendo, não vêem.”

Com esta reflexão a mulher do médico, personagem central do livro O ensaio sobre a cegueria de José Saramago, encerra a trama que todos viram transformada em filme por Fernando Meirelles.

A metáfora do olhar e do ver é um tema recorrente e nos leva sempre para um mundo mediado por imagens, um lugar onde existe um deslocamento entre a ação (enxergar) e o objeto (imagem). Na próxima semana o ciclo Estética do (in)visível* conta com a presença do fotógrafo Evgen Bavcar, conhecido por seu pensamento em torno desta questão.

Todos sabem, Bavcar é cego e discute justamente a noção de que não sabemos ver as coisas no mundo pelo excesso de informação visual, pela saturação. Para ele o mundo das imagens é tão carregado de clichês que não há de fato necessidade de vê-las para que possamos entendê-las. No seu texto A luz e o cego, ele nos diz:

“Talvez Filostrato tenha visto a galeria de Nápoles; todavia, pelo seu texto, podemos imaginá-la. As pessoas que olham diretamente as minhas fotos me dão a possibilidade de me assegurar da realidade materializada dos meus atos mentais. Por essa razão, eu me considero um artista conceitual sempre obrigado a pré-imaginar a imagem sobre a película. O aparelho fotográfico não pode pensar por mim.”

No famoso filme Janela da Alma (João Jardim e Walter Carvalho, 2001) Bavcar fala desta experiência e daquilo que nomeia como fotografia invisível. Desta forma, ele se coloca justamente no lugar do artista que produz pelo pensamento. Conhecedor do aparelho fotográfico, pode dirigir, elaborar e transformar o mundo que toca, cheira e escuta e, com isso, construir idéias em imagem.

O olhar, tema caro a todos os fotógrafos, é desconstruido pela filosofia de Bavcar. Só por isso vale escutar o que ele tem a dizer.

Evgen Bavcar

Evgen Bavcar

* Estética do (In)visível

Curadoria: João Kulcsár

24 de agosto

19h30 – Palestra  O Olhar Invisível com Evgen Bavcar.

25 de agosto

16h às 18h – Exibição do filme Ensaio sobre a Cegueira, de Fernando Meirelles.

19h às 20h – Palestra com Fernando Fogliano e Ronaldo Entler.

20h – Abertura da exposição fotográfica Estética do (in) visível, com fotos de Evgen Bavcar e dos fotógrafos deficientes visuais do Projeto Alfabetização Visual.

Local: Senac Consolação – R. Dr. Vila Nova, 228  Centro. Tel.: 2189-2100.